• 30 OUT 18
    • 14
    Saudade

    Saudade

    Fico pensando o que saudade tem a ver com esclerose múltipla, provavelmente nada.

    Mas como os quebradinhos também são humanos, eles também sentem saudades.

    Saudades gostosas de objetos, tempos e pessoas.

    Mas, principalmente, de coisas que eram ou foram.

    Chegamos à conclusão que tudo era diferente só pelo fato de ter sido.

    Recebi uma visita e minha mente tornou-se nostálgica, de tempos que já se foram.

    Revivi um tempo, conjunturas. Revirei bastante tempo para dormir. O que era aquilo; que me tirava o sono?

    A recordação, a esperança de fazer diferente, de planejar.

    A oportunidade de abrir a janela d’alma  para sonhar de novo.

    E quem diz, que reviver estórias não é viver no presente?

    Para mim, o mundo tinha acabado com o diagnóstico e outras incertezas tristes da vida. Renasceu quando muitos não desistiram de mim: colegas, profissionais da saúde, amigos e família.

    A fênix reviveu, com adaptações, transformações; mais forte talvez.

    De repente , ela morre de novo e tudo se instala novamente, como num circuito eletrônico semi-programado.

    Tudo passa a nossos olhos num simples relato de meio de tarde.

    No fim, éramos nós portadores capazes de tantas coisas. E, percebemos que toda humanidade era capaz  de tanta coisa.

    Não foi nossa dificuldade de andar, de saltar, de tomar banho sozinho ou até de  deitar que nos fez diferente. Foi nossa capacidade de sentir.

    E ainda são os olhos velados, que resvalam em todo passado, de sentirmos que tínhamos ou éramos e não do que temos e somos.

    Saudade… Ausência…

     

    AUSÊNCIA

    Por muito tempo achei que a ausência é falta.
    E lastimava, ignorante, a falta.
    Hoje não a lastimo.
    Não há falta na ausência.
    A ausência é um estar em mim.
    E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços,
    que rio e danço e invento exclamações alegres,
    porque a ausência, essa ausência assimilada,
    ninguém a rouba mais de mim.

    Carlos Drummond de Andrade

    Leave a reply →
  • Posted by eliane lopes sanches on 30 de outubro de 2018, 18:50

    Saudade uma palavra tão somente brasileira.
    Saudade pode ser uma palavra feliz de alguém que amamos e temos a plena certeza que vamos vê- outra vez.
    Saudade tambem pode ser uma palavra triste
    De alguem aquem amamos um dia e essa pessoa partiu para nunca mais voltar como a morte.
    Só sei que saudades faz doer o coração em ambas as emoções.
    Parabéns pela sensibilidade de abordar esse assunto que é tão unico

    Reply →
  • Posted by eliane lopes sanches on 30 de outubro de 2018, 18:50

    Saudade uma palavra tão somente brasileira.
    Saudade pode ser uma palavra feliz de alguém que amamos e temos a plena certeza que vamos vê- outra vez.
    Saudade tambem pode ser uma palavra triste
    De alguem aquem amamos um dia e essa pessoa partiu para nunca mais voltar como a morte.
    Só sei que saudades faz doer o coração em ambas as emoções.
    Parabéns pela sensibilidade de abordar esse assunto que é tão unico

    Reply →
  • Posted by eliane lopes sanches on 30 de outubro de 2018, 18:50

    Saudade uma palavra tão somente brasileira.
    Saudade pode ser uma palavra feliz de alguém que amamos e temos a plena certeza que vamos vê- outra vez.
    Saudade tambem pode ser uma palavra triste
    De alguem aquem amamos um dia e essa pessoa partiu para nunca mais voltar como a morte.
    Só sei que saudades faz doer o coração em ambas as emoções.
    Parabéns pela sensibilidade de abordar esse assunto que é tão unico

    Reply →
  • Posted by Cecilia on 30 de outubro de 2018, 19:04

    Saudades!!
    Gostei do texto, principalmente da parte de que a fênix reviveu! Com adaptações, transformações, mas mais forte!!
    É assim que tem que ser!!
    Sempre mais forte!
    Olhar para trás, sentir saudades, mas para nos tornarmos mais fortes!!
    Sempre!!
    Bj grande nessa fênix maravilhosa que vc é!!!

    Reply →
  • Posted by Cecilia on 30 de outubro de 2018, 19:04

    Saudades!!
    Gostei do texto, principalmente da parte de que a fênix reviveu! Com adaptações, transformações, mas mais forte!!
    É assim que tem que ser!!
    Sempre mais forte!
    Olhar para trás, sentir saudades, mas para nos tornarmos mais fortes!!
    Sempre!!
    Bj grande nessa fênix maravilhosa que vc é!!!

    Reply →

Leave a reply

Cancel reply