Jogar papo fora

Quem me conhece acha estranho. Estou sem fazer nada numa margem de tempo interminável. Um observador astuto notaria que não estou tricotando, crochetando; estou fazendo nada, jogando papo fora ou mesmo só escutando, observando. Acho importante a troca; somos semelhantes na humanidade, em nossos problemas e quando estou na ABEM em nossa doença.  Somos diferentes também

Montanha Russa

Estou atrasada, eu sei, não consigo achar uma justificativa melhor para meu atraso que uma gripe; daquelas danadas, com direito a nariz entupido e tosse. O assunto, porém não é esse. Muito embora, voltarei a ele depois. Quero falar hoje de montanha russa, aquele brinquedo que dá um frio na barriga e  que alguns insistem

Não poderia deixar de falar de…

Não poderia deixar de falar de … Além da tragédia humana e o drama das famílias, a superexploração pelos noticiários. Além da culpa nas mais diferentes esferas de: indivíduos, empresa, governos. Gostaria de falar sobre um prejuízo maior: o do meio ambiente, talvez com consequências menores que em Mariana, um desastre ambiental que destruiu milhões

O que nos leva a tomar uma decisão?

Como bióloga, devo responder: a genética e o ambiente. Explico, o  nosso legado de milhões de anos de evolução e toda sua complexidade; porém, quero falar hoje não como bióloga, mas como alguém que faz uma reflexão. Toda a carga de nossa personalidade influência nossas escolhas; aí se incluem os fatores que contribuíram e contribuem para

Desprezo pela humanidade

“…há momentos em que o desprezo pela humanidade nos cega para o que ainda merece ser salvo- João Pereira Coutinho -Viajando com Guliver”   Às vezes me sinto assim, desprezando minha humanidade e de outrem. Às vezes são atos não honrosos bobos, como furar uma fila, ou ver um não deficiente usando uma vaga por

O que eu te desejo para 2019?

Eu te desejo garra , muita garra; “Grit” em inglês para parecer contemporânea. Garra que define uma combinação de esforço e paixão , como comenta Claudia Costim sobre a educação e suas empreitadas. Folha de São Paulo -14 de dezembro de 2018. Nos mais variados ambientes  e épocas , eu peço garra. Garra para continuar

O verde traz inspiração!

O verde traz inspiração, não a cor verde símbolo da esperança, mas também o verde-mata, árvores e natureza. Fornece uma sensação de liberdade e integração à mãe -Terra. Felizmente convencida a aproveitar a oportunidade, partimos eu e dezessete colegas a uma aventura na natureza. Sim, embora fosse uma fazenda, pudemos encontrar espaços bucólicos, onde observaríamos

A queda livre

Alguém já viu um esclerosado pegando algum objeto caído? É uma piada; se possível tudo que está ao redor cai também. Nossa Senhora da Coordenação passa longe, ela foge de um quebradinho… Se a bengala cai, as pessoas oferecem-se para pegar. É, a gente tenta agradecer, mas a gente já baixou também. Já segurou na

Sabedoria

Há uma diferença que nos incomoda? Que ela se torne possibilidade. Que diferença é essa? De sermos nós os esclerosados, quebradinhos, mal-acabados? Há uma deficiência física sim, talvez até mental, mas isso não nos torna menos pessoas, menos capazes , mesmo com limitações. O mundo passou a ser mais lento ou nós que nos tornamos

Saudade

Fico pensando o que saudade tem a ver com esclerose múltipla, provavelmente nada. Mas como os quebradinhos também são humanos, eles também sentem saudades. Saudades gostosas de objetos, tempos e pessoas. Mas, principalmente, de coisas que eram ou foram. Chegamos à conclusão que tudo era diferente só pelo fato de ter sido. Recebi uma visita