• 09 MAR 18
    • 19
    A mudança de Casa

    A mudança de Casa

    Quando mudamos de casa, também as ideias se mudaram e transformaram-se. O lar se foi.

    Há uma enxurrada de lembranças, um acúmulo desnecessário de papéis, pela profissão que nos sustentou, a docência.

    Uma dorzinha de saudade pelo que lá foi vivido.

    Uma casa grande, igual coração de mãe, muitos móveis, muitos livros, muitas roupas.

    Um nostálgico pensamento de uma brincadeira de quintal, escorregar em água ensaboada pelo chão, as árvores frutíferas e ornamentais; os animais de estimação: o sapo, o pintinho, o preá, os cachorros.

    Quanta saudade, que não cabe no texto.

    As comidas que “inventamos” : os suspiros e bolachas, pães, macarrão, tudo era uma aventura naquela cozinha-copa, que saudade do cheiro das nossas experiências culinárias

    E daí, onde a gente fazia lição, na sala de jantar.

    E o medo infantil de subir ao andar superior, receio de encontrar um bicho-papão.

    À sombra da árvore na frente de casa, o chilrear dos bem-te-vis. As crianças esperando o transporte da escola…

    Lá se foram anos, a vida foi indo, como trem, arrastando o coração, num viaduto escuro, e nos mudamos…

    Foi preciso, a casa já não cabia em nossas vidas, quando nossas vidas sempre couberam naquela casa.

    Que tristeza abandoná-la, mas não pareceu bem desse modo.

    Não houve abandono, conversamos e escolhemos apenas partimos um de cada vez, multiplicando casas e famílias.

    Novos lares se formaram, e a casa antiga ficou lá, como coração de mãe ao ver os rebentos partirem.

    Para presentear, um ninho de sabias na árvore, um novo lar que foi formado.

     

    “Casa com vida, pra mim, é aquela em que os livros saem das prateleiras e os enfeites brincam de trocar de lugar. Casa com vida tem fogão gasto pelo uso, pelo abuso das refeições fartas, que chamam todo mundo pra mesa da cozinha. Sofá sem mancha? Tapete sem fio puxado? Mesa sem marca de copo? Tá na cara que é casa sem festa. E se o piso não tem arranhão, é porque ali ninguém dança.”

    CARLOS. DRUMMOND DE ANDRADE

    Leave a reply →
  • Posted by eliane lopes sanches on 9 de Março de 2018, 23:11

    Images e lembranças saudosista nos remetem à nossa infância.
    Belo texto. Minha amiga escreve como uma poetisa

    Reply →
  • Posted by Maria Rita Esteves Martins on 9 de Março de 2018, 23:19

    Quantas lembranças das coisas boas e bem vividas. Vc descreveu muito bem,minha querida prima. Beijinhos.

    Reply →
  • Posted by Ci on 10 de Março de 2018, 00:19

    Titia!
    Nem me fale!
    Muitas lembranças lindas!!
    Brincadeiras como acampamento na sala, trava de ginástica olímpica no encosto do sofá, balanço e bicicleta no quintal!
    Pinturas de canetinha nos braços do sofá que hj ainda resiste no novo lar – reformado lógico! Rs
    Escorrega no corrimão da escada…
    Tip, Sissi, jully, Mel, Titico, Sidneia, Pupinha… “banho” do pintinho no vaso sanitário, girinos recolhidos monófago em Mairiporã crescendo em bacias…
    Vitrola azul tocando disquinhos da “escala de melão”, rs …
    Z de zorro – medo total!!
    Passagem secreta para o quarto dos pais!
    Pirâmide de cobre sob a cama de casal…
    Nossa!! Tantas lembranças!!!
    A casa continua e sempre continuará em nossas vidas, pq lá recebemos amor incondicional e aprendemos tudo o que somos!!
    Texto emocionante o seu!!
    Parabéns mais uma vez!!!
    Bj enorme no coração!!

    Reply →
  • Posted by Suzete on 10 de Março de 2018, 01:44

    Cada vez mais encantador os seus textos. Eu TB senti coisas parecidas em minha mudança . E TB um grande alívio!

    Reply →
  • Posted by Erika Mimura on 10 de Março de 2018, 01:45

    Que delicia de texto!!
    Com cheiro de infância!!
    Parabéns !!
    :))

    Reply →

Leave a reply

Cancel reply