• 29 MAR 19
    • 35
    Montanha Russa

    Montanha Russa

    Estou atrasada, eu sei, não consigo achar uma justificativa melhor para meu atraso que uma gripe; daquelas danadas, com direito a nariz entupido e tosse.

    O assunto, porém não é esse. Muito embora, voltarei a ele depois.

    Quero falar hoje de montanha russa, aquele brinquedo que dá um frio na barriga e  que alguns insistem emir de olhos fechados, o vento batendo no rosto, e o estômago no coração.

    Refletindo bem, não é exatamente  sobre ele, mas uma comparação da nossa doença com o brinquedo.

    Todos nós vivemos momentos de altos e baixos, uma alegria, uma tristeza, mais análogo a uma gangorra citando a analogia de brinquedos.

    A esclerose múltipla parece uma montanha de emoções, um dia você está muito bem, consegue desempenhar todas as atividades de vida diária, as famosas AVDs; outro dia não consegue amarrar os sapatos, escovar os dentes, comer…

    Fisicamente abalados, os quebradinhos revoltam-se, mas há também a montanha russa de emoções que ocorrem associadas ou não , à montanha russa de condições físicas.

    É um “looping” de tristeza, ansiedade, rebeldia, não aceitação:- por que fiquei assim? – estava tão bem.

    Da mesma forma que subimos e descemos numa gangorra na vida (pelo menos na maioria das vezes, não como montanha russa) para um portador de esclerose múltipla, as condições físicas e as emoções podem ocorrer; vertiginosamente.

    Não estou dizendo que é uma característica clínica da doença; apenas que é uma observação, uma impressão, minha vida e acho que muitos compartilhem dessa impressão, parece uma montanha russa; cada mergulho um flash.

    Tudo é muito rápido, a tristeza, a alegria, a capacidade de fazer ou não.

    A diferença da gangorra é a emoção do brinquedo, para qual muitas vezes não estamos preparados, tudo é muito rápido, o silêncio, o barulho.

    Sinto que o mundo cai vertiginosamente e com muito peso no meu colo e parafraseando Carlos D. De Andrade , o poeta, “ não pesa mais que a mão de uma criança”.

    E para você amigo (a) , sua impressão é a mesma que a minha? A vida é uma gangorra ou uma montanha russa?

    Ps: Quanto ao resfriado, já é incapacitante para muitas pessoas, para mim em especial: o que me aborrece é a tosse, ela faz meu corpo inteiro estremecer e eu fico mais cansada, mais que o normal. Não preciso dizer que detesto estar gripada.

    Leave a reply →
  • Posted by Edilaine t p bortolai on 29 de março de 2019, 19:27

    Mais uma vez, parabéns Re. Lindo texto.beijos

    Reply →
  • Posted by Erika on 29 de março de 2019, 19:33

    Sempre nos levando a refletir! Parabéns!!

    Reply →
  • Posted by eliane lopes saches on 29 de março de 2019, 20:01

    Deve ser muito duro essa hagorra de emocões e físicas que vocês devem sentir.o jeito é a gente se apegar à Deus.
    Belo texto. Parabéns

    Reply →
  • Posted by Cecília on 29 de março de 2019, 20:10

    Oi Rê!

    Gangorra ou montanha russa?

    Sobe e desce, sobe e desce, rs

    Creio que devemos pensar que a montanha russa é mais divertida, pois leva a caminhos diferentes, ora esquerda, ora direita, ora acima, ora abaixo. Gangorra é mais constante: sobe, desce, sobe, desce.

    Às vezes precisamos dos chacoalhões da montanha russa, da surpresa, do mergulho, pois como diz o ditado, depois da tempestade vem a bonança.

    Hj conseguimos amarrar os sapatos, amanhã não, mas no dia seguinte sim!

    Lembre-se que a vida deve ser vivida desse modo: hj talvez não, mas amanhã certamente sim!!

    Conte sempre conosco para estar ao seu lado nessa montanha russa!!

    E melhoras da gripe!

    Bjs.

    Reply →
  • Posted by Sheilla Cristina Ferreira da Silva on 29 de março de 2019, 20:34

    Realmente amiga a vida é uma gangorra , cada um com suas debilidades , mas o importante é não perdemos a fé , porque ela nos impulsiona a não desistir , aprendi algo : com vontade ou sem vontade temos que persevera .Um forte abraço !!

    Reply →

Leave a reply

Cancel reply