• 29 NOV 19
    • 12
    A inclusão e “o tamo junto”

    A inclusão e “o tamo junto”

    Vi uma reportagem na televisão, que me chamou  a atenção; uma palavra talvez; era sobre a inclusão. Peço perdão aos caros leitores, ” por bater tanto nessa tecla”

    Um comentário com certeza, a inclusão é uma construção, uma elaboração entre pessoas excluídas e as “incluídas”., é um processo que nunca se acaba, nunca se fecha em si mesmo.

    A reportagem era sobre roupas inclusivas e as oportunidades que surgem no mercado com essa nova fatia de consumidores.

    Pois é , inclusão também é um aspecto mercadológico.

    Quando entramos numa loja dita inclusiva e não conseguimos andar entre as araras, o provador não tem espaço para cadeira de rodas, nem para o andador, que decepção.

    Mas aí você fica quieto, quando sai dela, reclamando para seus parentes, mas não conversando com o gerente sobre sua dificuldade e dando sugestões. Você é culpado pela situação também, você será excluído, porque nem se esforçou no pequeno gesto de informar suas dificuldades.

    As pessoas”normais” precisam saber as dificuldades, mas nem todas são empáticas a todos e o tempo todo.

    Por isso, amigos (as) nós quebradinhos ou não, somos condenados pelo imobilismo. Não o imobilismo físico ao qual estamos, um pouco “presos ao não andar , porque vivemos caindo” (pelo menos eu). O imobilismo de nossas ideias, de nossa ação concreta.

    Falta coragem? Somos pro-ativos nessas situações? Não custa nada dar uma “forcinha à memória ” das pessoas de que  os diferentes, tem necessidades diferentes. Eu, você, nós todos somos convidados a pensar nas diferenças. Se pudermos contribuir para  o bem estar das pessoas, por que agir ao contrário?

    O coletivo é importante também, “estamos  todos juntos nesse barco”. Você já meditou sobre isso?

    Leave a reply →
  • Posted by Rosiris on 29 de novembro de 2019, 21:57

    Excelente texto e muito reflexivo.
    Parabens…
    Bjs

    Reply →
  • Posted by Lucyara Canhadas on 29 de novembro de 2019, 22:02

    Bem pensado todos nos quebradinhas ou nao temos deficuldades do dia a dia bora reclamar para que nos notem e possamos ser notados como consumidores

    Reply →
  • Posted by Deborah on 29 de novembro de 2019, 22:05

    Rezinha, somos mesmo muito passivos nesse aspecto. Precisamos todos, quebradinhos ou não, aprender a nos expressar e também dar o direito ao próximo de saber como melhorar…
    Ótima reflexão
    Bjs

    Reply →
  • Posted by Cecília on 29 de novembro de 2019, 22:05

    Rê, pura verdade!
    Muitas vezes vemos que os "diferentes" são excluídos e não fazemos nada para mudar.
    Seu texto claramente deixou a mensagem que a inclusão deve partir de nós mesmos.
    Ótima reflexão e dica!!
    Bora lá sermos mais pro ativos!!
    Bjs

    Reply →
  • Posted by Eliane Lopes Sanches on 29 de novembro de 2019, 22:17

    Toda família deveria ter um parente com inclusão para sentirem na pele o desequilibrio dos lugares sem acessibilidade. Sem ter infraestrutura para receber os quebradinhos.
    Quem sabe no futuro Deus possa enviar seu olhar para as pessoas com deficiência e abrir a mente da humanidade para incluir de verdade os quebradinhos no mundo.
    Parabéns pelo belíssimo texto

    Reply →

Leave a reply

Cancel reply