• 28 FEV 14
    • 0
    Dor

    Dor

    dorA esclerose múltipla foi considerada durante muitos anos, uma doença indolor. A visão atual é de que aproximadamente 50% das pessoas com esclerose múltipla sentem dor ou desconforto em algum momento durante o curso de sua doença. Quando grave, a dor na EM pode estar entre os sintomas mais difíceis de tratar. As dores comuns que afetam a população em geral são provavelmente mais freqüente em pessoas com esclerose múltipla do que em indivíduos não-afetados. Dores de cabeça não são geralmente consideradas como causas da esclerose múltipla.

    Alguns autores descrevem a dor no EM como crônica ou aguda. A dor e continua porque muitas vezes os músculos se tornam fatigados e esticados quando eles são usados para compensar os músculos que foram enfraquecidos pelo EM. Pessoas com esclerose múltipla também pode ter mais dor lancinante, que resulta de sinais nervosos proveniente de nervos com lesões da EM no cérebro e medula espinhal.

    Pode-se descrever três tipos de dor que ocorrem como secundária na EM:

    1. A dor musculoesquelética

    2. dor paroxística

    3. A dor crônica neurogênica

    1. A dor musculoesquelética pode ser devido à fraqueza muscular, espasticidade e desequilíbrio. É freqüentemente mais vista nos quadris, pernas e braços e, em especial quando os músculos, tendões e ligamentos permanecem imóveis por algum tempo. Dor nas costas pode ocorrer devido a lugares impróprios ou postura incorreta durante a caminhada. Contraturas associadas à fraqueza e espasticidade pode ser dolorosas. Espasmos musculares ou cãibras (espasmos flexor chamado) pode ser grave e desconcertante. Espasmos nas pernas, por exemplo, ocorrem frequentemente durante o sono.

    2. dores paroxísticas são vistas em 5 -10% das pessoas com EM. A característica mais frequente é a dor facial.

    3. A dor crônica neurogênica é a mais comum, afligindo e intratável os síndromes de dor na EM. Esta dor é descrita como constante, perfuração, queimadura ou formigueiro intenso. Ocorre geralmente nas pernas.

    Tratamento de dor na EM

    O exercício físico pode ajudar a diminuir a espasticidade e dor dos músculos. Infelizmente, as pessoas com esclerose múltipla podem nem sempre ter a capacidade ou resistência para fazer exercícios aeróbicos suficiente. Regular exercícios de alongamento.

    Tratamentos não medicamentosos: técnicas de relaxamento, tais como o relaxamento progressivo, meditação e respiração profunda pode contribuir para o manejo da dor crónica.

    Outras técnicas que podem ajudar a dor incluem massagem, ultra-som, tratamentos de quiroprática, hidroterapia, acupuntura, estimulação nervosa transcutânea, calor úmido e gelo.

    Conclusão

    A dor é um sintoma oculto na EM, mas que pode ser persistente. A dor pode causar desconforto a longo prazo e muito graves impactos sobre a qualidade de vida. Auto-ajuda pode desempenhar um papel importante no controle da dor, para as pessoas que permanecem ativos e manter atitudes positivas são capazes de reduzir o impacto da dor na sua qualidade de vida.

     

    Leave a reply →