• 02 AGO 19
    • 13
    Contar ou não?

    Contar ou não?

    Minha leitura do editorial da Folha de São Paulo, de 15 de julho, intitulado “Tremores de Merkel” me inspirou a escrever algumas palavras. É fato que Angela Merkel , chanceler da Alemanha, tenha tremido na cerimônia de boas-vindas ao presidente da Ucrânia. Tremeu também em outras cerimônias oficiais e embora tenha repetido muitas vezes que não há motivo para preocupação, colocou uma “pulga atrás da orelha” do mundo.

    Um ponto que me chamou a atenção foi a questão: há limite dos direitos à privacidade médica? Por sua posição política, a declaração de um diagnóstico é necessária ou faz parte de uma curiosidade mórbida geral ?

    Fazendo uma analogia com quebradinhos em geral, portadores de qualquer doença, guardando as devidas proporções; acho que todos nós tivemos o dilema: contar ou não contar sobre a doença.

    Contar nos dá algum suporte operacional e emocional, uma sensação esquisita de pertencimento a um grupo, “os quebradinhos”. Permite que obtenhamos ajuda: no oferecimento de um lugar para sentar, uma cadeira de rodas… Permite também que surja um sentimento de dó, pena,  em outrem, com  relação aos quebradinhos. Isso é ruim? Pode ser.  Surge também o preconceito de inaptidão e vulnerabilidade.

    Somos vítimas? Acho que de nosso preconceito.

    Contar ou não é uma decisão pessoal. É humana a sensação de pertencimento a um grupo de semelhantes, assim diz a história, somos mais fortes.

    Podemos como eu disse sofrer preconceito, vale a pena lembrar, você tem que decidir entre pertencer ou alimentar um preconceito.E essa decisão não é preto no branco; matizes de cinza são a regra.

    Você decide contar ou não.

    Leave a reply →
  • Posted by Deborah on 2 de agosto de 2019, 21:05

    Rezinha, concordo plenamente. É uma decisão pessoal. E por mais que qualquer outro tenha qualquer opinião, é a pessoa quem tem decidir. Cabe a nós respeitar. Bjs

    Reply →
  • Posted by Lucyara Canhadas on 2 de agosto de 2019, 21:36

    A muito tempo eu conto, sem preconceito, de ser uma quebradinha basta olhar com olhos de entendimento e compreender que posso dentro das minhas limitações quase tudo

    Reply →
  • Posted by Rosiris on 2 de agosto de 2019, 21:55

    Excelente texto e oportuniade de reflexao.
    Parabens!!!!

    Reply →
  • Posted by Soraia on 2 de agosto de 2019, 22:53

    Ai Amiga…. Pode ser mesmo uma decisão difícil… Afinal só podemos ser responsáveis pelo o q dizemos e não pelo q o outro ouve… O preconceito já não estando em quem fala, já é um passo….mas em qm ouve…já fica.mais difícil de adivinhar…

    Reply →
  • Posted by Sheilla on 3 de agosto de 2019, 02:49

    Sempre tem opiniões diferentes , toda escolha tem suas consequências , sejam boas ou não, creio que falar liberta a pessoa ,da sua própria condição , acho que a diferença é não ter um espírito de "coitadismo ", porque pode se fazer a diferença e ajudar outras pessoas se fortalecer .A limitação faz as pessoas descobrir que tem mais força do que podia imaginar !! Veja seu exemplo , que Deus capacita você de forma que seu talento não é limitado!!

    Reply →

Leave a reply

Cancel reply