• 14 JUL 17
    • 12
    Ciência – parte2

    Ciência – parte2

    Eu, aqui de novo.

    Hoje vou falar sobre a divulgação de resultados na ciência.

    Podemos ver nos meio de comunicação às notícias de novas descobertas de remédios, tratamentos e tecnologias… Mas alguém parou para pensar no que está por trás disso?

    Todas aquelas fases que descrevi no texto passado, a dúvida, as hipóteses, a metodologia, os resultados e a estatística. Esse é o arcabouço da metodologia científica, mas como a notícia chega até você? Do cientista, para os artigos científicos, para os meios de comunicação…

    A divulgação de notícias científicas é um processo complexo, exige seriedade, ética, como qualquer informação veiculada na sociedade.

    Informações em geral, tem que ser caracterizadas por uma conduta ética e de verdade.

    Você já percebeu quantas “verdades”  são veiculadas como científicas na internet?

    Mas será que elas têm um respaldo científico rigoroso?

    Eu digo, em relação à ciência, porque as consequências de uma falsa verdade podem ser desastrosas.

    Avalio dessa maneira pelas consequências na vida das pessoas por causa da veiculação de uma falsa verdade.

    Dietas mirabolantes que prometem o emagrecimento, vacinas que causam doenças, curas milagrosas de doenças e tantas coisas mais.

    Não vou entrar no mérito de cada um desses exemplos, não sou especialista e não cabe a mim, pobre escritora…

    E minha responsabilidade, porém pedir atenção redobrada, contra a falsa ciência, tudo aquilo que é vestido de verdade, mas não tem comprovação da ciência.

    Pela ciência, ser tão rigorosa e depender tanto de sua estratégia (a pergunta, as hipóteses, a metodologia, os resultados e a estatística) é que podemos acreditar. E ainda assim desconfiar, por causa de um detalhe chamado probabilidade e intervalo de confiança, mas esse é assunto para outro texto.

    Cabe ao leitor atento, discernir, o que é verdadeiramente científico e o que é balela.

    Como desconfiar de uma notícia? Como acreditar numa informação?

    Algumas dicas são:  a fonte de onde vêm a notícia, quais são as fontes? São confiáveis?

    Para ciência, geralmente os dados vem de trabalhos de universidades e centros de pesquisa. Já é uma boa dica para começar.

    Você pode também procurar, por outros trabalhos e verificar onde e por quem foram realizados. Ler criticamente é o outro passo.

    Eu sei dá trabalho, mas informação exige pesquisa e não preguiça.

    E  antes de disparar mensagens em seu celular, não seja ingênua, dê pelo menos uma pesquisada ou lida melhor na notícia, assim você não corre o perigo de veicular uma besteira.

     Espero que este texto tenha sido útil para você… Até a próxima.

    “O aspecto mais triste da vida atual é que a ciência ganha em conhecimento mais rapidamente que a sociedade em sabedoria.” Isaac Asimov

    Por: Regina Mimura

    Leave a reply →
  • Posted by Maria Cecília O.de Andrade e Silva on 14 de julho de 2017, 20:44

    Oi querida como é difícil crer no q se lê.Ontem o Ovo era o vilão,hoje é o mocinho.A maconha virou solução p as dores e não mais abre as portas p "dores".Minha médica me aconselhou a ficar por 15′ no sol das 11h às 14h, eu ruiva nunca ,vai ficar com câncer de pele.Banho , dois por dia !!! proibido!!acaba com a pele.Ainda bem Re,q tenho vc para me esclarecer.Spre me pergunto Quem veio primeiro o ovo ou a galinha.Vai saber !!!???

    Reply →
  • Posted by Cecília on 14 de julho de 2017, 21:24

    Regina!
    Mais um texto esclarecedor!!
    Belo ensinamento retirado do seu texto: "informação exige pesquisa e não preguiça".
    Que todos sigam essa orientação!!
    Bjs

    Reply →
  • Posted by Teresinha on 14 de julho de 2017, 21:52

    A frase de Asimov ,cai como uma luva , para finalização de seu texto mt esclarecedor. Parabéns, aguardo o três!

    Reply →
  • Posted by Suzete on 14 de julho de 2017, 22:38

    Muito bom!!!!!

    Reply →
  • Posted by Maria Rita Martins on 14 de julho de 2017, 23:59

    Gostei muito.

    Reply →

Leave a reply

Cancel reply