• 21 FEV 20
    • 12
    Carnaval

    Carnaval

    Eu, pessoalmente, não gosto de carnaval, mas li duas matérias que me inspiraram a escrever sobre esse tema.

    Uma abordava sobre a utilização do espaço público : é uma boa oportunidade para utilizá-lo . As brincadeiras necessitam da rua, do nosso espaço publico e da convivência entre as pessoas.

    A segunda falava sobre o ponto de vista da convivência com diferenças. Diferentes somos nós todos e ainda bem. Aposto na diversidade, biologicamente falando e moralmente também . Diferença é bom, porém causa estranheza; como não somos homens da caverna e  nosso córtex pré frontal está desenvolvido e moralmente construímos uma historia social.  Sim podemos conviver com a diversidade, com a diferença.

    Livre arbítrio  todos temos , garantido pela constituição ,  mas nossa liberdade está condicionada por conseqüências.  Você pode fazer o que quiser, mas assuma as conseqüências.

    Esse jogo é que nos faz mais humanos. Você faz o que quiser, mas tudo tem conseqüência.

    Cobro a ausência de respeito ao espaço público, não somente no carnaval; o respeito pelo bem publico  deve acontecer todos os dias, em todas as situações.

    Aquilo não é meu nem seu, é nosso; por ser nosso cada um deve zelar por ele da melhor maneira.

    Vou comentar sobre limpeza de banheiros públicos, alias, não vou comentar. O que falta à sociedade é a noção de pertencimento, e o que mais dói no coração e , parece que você esqueceu disso; é uma ovelha desgarrada . O dilema é que só juntos seremos fortes e poderemos brincar  o carnaval. Prometa antes zelar pelo que é nosso: a rua, o respeito, o bem publico e o banheiro.

    Leave a reply →
  • Posted by Sheilla on 21 de fevereiro de 2020, 18:32

    O direito de um acaba quando começa o do outro. Infelizmente hoje me parece que os homens da caverna, tinham mais córtex que os de hoje em dia. Urinar no portal dos condomínios, e até chamar uma senhora de "sua velha" , porque ela queria sair da sua casa, isso aconteceu no bairro da Vila Madalena, hoje ela estoca alimentos e remédios pra não precisar sair de casa nessa época. É muito triste!!

    Reply →
  • Posted by Deborah on 21 de fevereiro de 2020, 18:58

    Re, gosto sempre de lembrar que o público não é algo sem dono, mas sim, algo que a todos pertence. Bjs

    Reply →
  • Posted by Suzete Colo Rossetto on 21 de fevereiro de 2020, 22:00

    A utilização do espaço público com o desenvolvimento da cidade ficou mais distante. Assustador, mas… pura verdade. Brincávamos na rua. Praças públicas eram para o entardecer. Cadeira na rua para trocar uma prosa com os vizinhos e etc. Por isso são importanteS os projetos que levam as pessoas a caminhar e conhecer a cidade…. nossa cidade e infelizmente altamente desconhecida. Por exemplo, “Sampa a Pé”. E viva a diversidade!!!
    Parabéns Regina!!!!

    Reply →
  • Posted by Rosiris on 21 de fevereiro de 2020, 22:48

    Re
    O que falta na populacao e a ideia de pertencimento – este espaco tb e meu.
    Nao sei se vc se lembra , mas eu tentava trabalhar esta ideia com os alunos da manha/ noite para nao jogarem papel no chao.
    Texto muito reflexivo.
    Parabens!!!! Bjks

    Reply →
  • Posted by Berenice B. Sena on 22 de fevereiro de 2020, 01:08

    Querida Re
    Somos todos um.
    Aprendemos quando nos ensinam.
    Para ensinar temos que ser exemplo.
    Seu texto me faz refletir o quanto temos de responsabilidade frente a humanidade, frente ao universo.
    Abraço afetuoso

    Reply →

Leave a reply

Cancel reply