• 01 ABR 20
    • 5
    Atualização 31/03/2020 – Conselho Global Para Pessoas Com EM

    Atualização 31/03/2020 – Conselho Global Para Pessoas Com EM

    Conselho global COVID-19 para pessoas com EM

    COVID-19 é uma nova doença que pode afetar seus pulmões e vias aéreas. É causada por um novo coronavírus que foi detectado pela primeira vez em pessoas na China em dezembro de 2019 e desde então se espalhou para outras partes do mundo.

    Atualmente, não há evidências de como o COVID-19 afeta pessoas com esclerose múltipla (EM). O conselho abaixo foi desenvolvido por neurologistas e especialistas em pesquisa das organizações membros do MSIF. Clique aqui para baixar a declaração completa em PDF, incluindo a lista de indivíduos e organizações consultados.

    Este conselho será revisado e atualizado à medida que houver evidências sobre o COVID-19.

    Conselhos para pessoas com EM

    Pessoas com doenças pulmonares e cardíacas subjacentes e pessoas com mais de 60 anos têm mais chances de sofrer complicações e ficar gravemente doentes com o vírus COVID-19. Este grupo incluirá muitas pessoas vivendo com EM, especialmente aquelas com complicações adicionais de saúde, problemas de mobilidade e aquelas que fazem alguns tratamentos.

    Todas as pessoas com EM são aconselhadas a prestar atenção especial às diretrizes para reduzir o risco de infecção com COVID-19. As pessoas idosas com EM, especialmente aquelas que também têm doenças pulmonares ou cardíacas, devem tomar cuidado extra para minimizar sua exposição ao vírus. As recomendações da Organização Mundial da Saúde incluem:

    • Lave as mãos com frequência com água e sabão ou com um sabonete à base de álcool
    • Evite tocar nos olhos, nariz e boca, a menos que suas mãos estejam limpas
    • Tente manter pelo menos 1 metro de distância entre você e os outros, principalmente aqueles que estão tossindo e espirrando
    • Ao tossir e espirrar, cubra a boca e o nariz com um cotovelo ou tecido flexionado
    • Pratique a segurança alimentar usando diferentes tábuas para carne crua e alimentos cozidos e lave as mãos entre o manuseio.

    Além disso, recomendamos que as pessoas com EM:

    • Evite reuniões públicas e multidões
    • Evite usar o transporte público sempre que possível
    • Sempre que possível, use alternativas para consultas médicas de rotina presenciais (por exemplo, consultas por telefone).

    Cuidadores e familiares que moram ou visitam regularmente uma pessoa com EM também devem seguir estas recomendações para reduzir a chance de levar a infecção por COVID-19 para dentro de casa.

    Conselhos sobre tratamentos para Esclerose Múltipla

    Muitos tratamentos para Esclerose Múltipla  funcionam suprimindo ou modificando o sistema imunológico. Alguns medicamentos para a EM podem aumentar a probabilidade de desenvolver complicações por uma infecção por COVID-19, mas esse risco precisa ser equilibrado com os riscos de interrupção do tratamento. Recomendamos que:

    • Pessoas com EM atualmente em uso de DMTs continuam com o tratamento.
    • As pessoas que desenvolvem sintomas de COVID-19 ou apresentam resultado positivo para a infecção discutem suas terapias com esclerose múltipla com seu médico ou outro profissional de saúde familiarizado com seus cuidados.
    • Antes de iniciar qualquer novo DMT, as pessoas com esclerose múltipla discutem com seu profissional de saúde qual terapia é a melhor escolha para seu curso e atividade da doença, à luz do risco de COVID-19 na região.
    • Aqueles que devem iniciar um DMT, mas ainda não o fizeram, devem considerar a possibilidade de selecionar um tratamento que não reduza células imunes específicas (linfócitos). Os exemplos incluem: interferons, acetato de glatiramer ou natalizumab. Os medicamentos que reduzem os linfócitos em intervalos mais longos incluem alemtuzumabe, cladribina, ocrelizumabe e rituximabe.
    •  Os seguintes DMTs orais podem reduzir a capacidade do sistema imunológico de responder a uma infecção: fingolimod, dimetil fumarato, teriflunomida e siponimod. As pessoas devem considerar cuidadosamente os riscos e benefícios de iniciar esses tratamentos durante a pandemia de COVID-19.
    • As pessoas com EM que estão atualmente tomando alemtuzumabe, cladribina, ocrelizumabe, rituximabe, fingolimode, dimetil fumarato, teriflunomida ou siponimode e que vivem em uma comunidade com um surto de COVID-19 devem isolar o máximo possível para reduzir o risco de infecção.

    As recomendações para adiar a segunda ou mais doses de alemtuzumabe, cladribina, ocrelizumabe e rituximabe devido ao surto de COVID-19 diferem entre os países. As pessoas que tomam esses medicamentos e devem receber a próxima dose devem consultar seu profissional de saúde sobre os riscos e benefícios do adiamento do tratamento.

    Conselhos sobre  o Transplante 

    O tratamento autólogo de células-tronco hematopoiéticas (aHSCT) inclui tratamento quimioterápico intensivo. Isso enfraquece gravemente o sistema imunológico por um período de tempo. As pessoas que foram submetidas a tratamento recentemente devem prolongar o período em que permanecem isoladas durante o surto de COVID-19. As pessoas que devem se submeter ao tratamento devem adiar o procedimento em consulta com seu profissional de saúde.

    Conselhos para crianças ou mulheres grávidas com EM

    No momento, não há conselhos específicos para mulheres com EM que estão grávidas. Há informações gerais sobre COVID-19 e gravidez no site do Centro para Controle e Prevenção de Doenças dos EUA.

    Não há conselhos específicos para crianças com EM; eles devem seguir o conselho acima para pessoas com EM.

    Leave a reply →
  • Posted by Juliana Maurílio on 2 de abril de 2020, 03:28

    Faço uso de Natalizumabe, sou Técnica em Enfermagem e trabalho em hospital.
    Alguma orientação específica?

    Reply →
  • Posted by Juliana Maurílio on 2 de abril de 2020, 03:28

    Faço uso de Natalizumabe, sou Técnica em Enfermagem e trabalho em hospital.
    Alguma orientação específica?

    Reply →
  • Posted by Edna Rosa Marinho Silva on 2 de abril de 2020, 17:21

    Boa tarde!
    Faço o uso de Lemtrada a dois anos seguidos. Minha última dose foi em setembro de 2019. Em qual grupo de medicamentos citados acima me enquadro???

    Reply →
    • Posted by Paula on 5 de abril de 2020, 22:21
      in reply to Edna Rosa Marinho Silva

      Boa noite. Assim como eu, acredito que vc deve manter o máximo de isolamento possível, pois os linfócitos T (que são destruídos com a medicação juntamente com os linfócitos B) demoram a se "regenerar" e eles que são sua maior defesa (eles se "regeneram" perto da 2a etapa, quando caem novamente por conta do tratamento).
      Fiz a 1a infusão de lemtrada em outubro de 2019 e estou em isolamento social há quase 1 mês por conta do covid-19 por estar com os linfócitos T ainda baixos perante o normal.
      Converse com seu médico se vc precisará fazer a 3a dose ou se seriam só 2 mesmo.
      Independente de realizar a 3a etapa, eu aconselharia manter isolamento social. Sua defesa ainda não está perfeita.

      Reply →
    • Posted by Paula on 5 de abril de 2020, 22:21
      in reply to Edna Rosa Marinho Silva

      Boa noite. Assim como eu, acredito que vc deve manter o máximo de isolamento possível, pois os linfócitos T (que são destruídos com a medicação juntamente com os linfócitos B) demoram a se "regenerar" e eles que são sua maior defesa (eles se "regeneram" perto da 2a etapa, quando caem novamente por conta do tratamento).
      Fiz a 1a infusão de lemtrada em outubro de 2019 e estou em isolamento social há quase 1 mês por conta do covid-19 por estar com os linfócitos T ainda baixos perante o normal.
      Converse com seu médico se vc precisará fazer a 3a dose ou se seriam só 2 mesmo.
      Independente de realizar a 3a etapa, eu aconselharia manter isolamento social. Sua defesa ainda não está perfeita.

      Reply →

Leave a reply

Cancel reply