• 26 JUL 19
    • 12
    Minha primeira vez

    Minha primeira vez

    Aposto caros leitores que tenham dado uma conotação sexual ao  título desse texto, mas não se trata de nada disso. Esse texto foi escrito em conjunto, eu e minha amiga Lucyara o escrevemos.

    Na verdade ela é a dona da aventura e a descreve abaixo:

    “A primeira vez que eu me aventurei a pegar um ônibus de linha eu estava com Cida amiga, cuidadora e corajosa. É tranquilo, existe lugar certo para cadeirante vc é afivelada e fica bem segura sem perigo da cadeira andar. O motorista e o cobrador são treinados para auxiliar o cadeirante. A minha penúltima aventura passar um domíngo no parque  Ibirapuera num show em comemoração da EM na volta tomeí um ônibus retornando à minha casa. A tarde acabou , voltei pra casa  de ônibus feliz da vida pronta para mais uma aventura .”

    Eu, ainda não tenho essa coragem, da destemida Lucyara e de sua cuidadora Cida.

    Queria fazer alguns comentários, acho que já os fiz em outros textos, mas vale a pena repetir:

    A acessibilidade também é técnica e necessita de infraestrutura, que nós encontramos no ônibus (elevador, local para cadeira, cintos de segurança) e igualmente da assessoria do motorista . Entretanto para chegar ao ponto de ônibus há muitos percalços na rua (buracos,postes no meio da calçada entre outros).

    A coragem e a determinação da cuidadora também é essencial, além de técnica e força.

    Eu ainda opino que a acessibilidade no Brasil está um pouco distante, arrisco dizer que as pessoas são acessíveis, na sua solicitude em ajudar, mas os espaços ainda não. Fico feliz com a narrativa da Lucyara; estamos chegando lá, mas ainda me falta essa coragem.

    Leave a reply →
  • Posted by Maria Rita Esteves Martins on 26 de julho de 2019, 20:15

    Adorei esta história, só tomar coragem e seguir em frente querida. Beijinhos.

    Reply →
  • Posted by Eliane Lopes Sanches on 26 de julho de 2019, 21:25

    É verdade. Essa sua amiga foi muito corajosa de fazer uma viagem dessas com tanto percausso.
    Não temos acessibilidade nas ruas, calçadas e ônibus com elevadores quebrados.
    É muito injusto com o cadeirante.
    Quem sabe um dia as coisas melhorem.

    Reply →
  • Posted by Rosiris on 26 de julho de 2019, 23:10

    Amei o texto…Parabens….

    Reply →
  • Posted by MARIA ANGELICA BRAGANTE RHEIN on 26 de julho de 2019, 23:59

    Lucyara parabéns você nos mostrou ser exemplo de força de ser destemida .
    Esse é só o começo ! Em frente amiga….

    Reply →
  • Posted by MARIA ANGELICA BRAGANTE RHEIN on 26 de julho de 2019, 23:59

    Lucyara parabéns você nos mostrou ser exemplo de força de ser destemida .
    Esse é só o começo ! Em frente amiga….

    Reply →

Leave a reply

Cancel reply