• 13 JUL 18
    • 6
    Tô nem aí

    Tô nem aí

    Que frase feia de se dizer!  Mas, como ela já faz parte  do nosso cotidiano.

    O fato de não estarmos aí, não ligarmos para o que está acontecendo, pessoas ou coisas é fruto de um descaso nosso com a vida.

    É claro que há situações em que temos necessidade de parar de nos importarmos  porque nossos circuitos dão um” tilte”. É fisiológico, e químico , o cansaço e esgotamento.

    Entretanto ,quero falar de outra situação: que não estar nem aí, é uma escolha consciente, arquitetada.

    Não estar nem aí, faz parte de um desanimo generalizado que estou observando na espécie humana.

    As coisas mais extraordinárias tornaram-se naturais, sejam elas boas ou ruins.

    Não nos emocionamos com as crianças enjauladas, com a guerra na Síria ou na África; com o homem que morreu de frio, ou com o desespero do doente sem atendimento ou remédio. Essa insensibilidade é protetiva? Estamos indiferentes para não nos ferirmos mais?

    E quando sentimos? Roubam milhões na nossa cara, mas só somos capazes de indignação. Não fazemos  algo para mudar.

    O que falta a nós? Somos tão bobos  incapazes de ações?

    A torneira está pingando, mas somos incapazes de fecha-la, deixando esvair precioso líquido.

    Esse sentimento de não estar nem aí nos paralisa.

    Seja pela proteção de não sentir, seja por nossa escolha parte do desânimo coletivo, que assola nossa pátria.

    Ser patriota está na moda? Correndo atrás de uma bola, torcendo para um gol é ser patriota? Quando torcemos num esporte, estamos sendo patriotas?

    Torcer é bom, aviva sentimentos adormecidos.

    Mas seremos capazes de ser patriotas, numa escolha em outubro, nas próximas eleições?

    Seremos capazes de pensar um mundo diferente se somos tão indiferentes a ele? Não podemos sentir o poder da canção , do abraço e do sorriso.

    Não estamos nem aí, por descaso, por não conseguirmos suportar a situação, por que?

    De fato e não estamos nem aí…

    Como diz o autor Érico Veríssimo : O oposto do amor não é o ódio, mas a indiferença…

     

    Leave a reply →
  • Posted by José Carlos da Silva on 13 de julho de 2018, 20:06

    Querida RE, quanta verdade em tão resumidas palavras. Elas se bastam!
    Espero, desejo que muitos leiam seu texto,mas não como não estão nem aí, mas com consciência, responsabilidade pela existência, pelo próximo, pelo planeta Terra.
    Que sua palavras entrem no coração, na mente e no espírito detidos que as lerem e que as disseminem, pois estamos precisando como nunca serão reflexão.
    Obrigado RE pelo seu texto.
    Espero ler muitos outros.
    Beijo carinhoso e grato.

    José Carlos da Silva

    Reply →
  • Posted by Edilaine t p bortolai on 13 de julho de 2018, 20:18

    Lindo texto, realidade.

    Reply →
  • Posted by Edilaine t p bortolai on 13 de julho de 2018, 20:18

    Lindo texto, realidade.

    Reply →
  • Posted by cecília on 13 de julho de 2018, 20:42

    Rê!!
    Mais um texto exemplo de reflexão!
    Quantos "não tô nem ai" ouvimos e vemos em nosso dia a dia!!
    É hora de parar de ser cômodo e ir atrás!!
    A indiferença não leva a lugar algum!!!
    Bora acordar pessoal!!
    Parabéns pelo recado!!
    Bjs

    Reply →
  • Posted by eliane lopes sanches on 14 de julho de 2018, 11:07

    Parabéns Rê.
    Belo texto que nos leva a reflexão.
    Como estamos indiferente à nossa volta.
    É um desanimo de encarar a vida.
    Fazemos isso para não soframos pelas coisas ruins que acontece no planeta e no nosso Brasi.
    É uma forma de nos proteger contra o mal.
    Mas precisamos acordar e lutar para que as coisas melhorem.

    Reply →

Leave a reply

Cancel reply